download (8).png

Trabalhando para minimizar a condição de abandono e risco social de muitas crianças, adolescentes e seus familiares a FUNDESP - Fundação Esperança conta com a ajuda de colaboradores e busca parcerias para ampliar sua rede de atendimento.

A FUNDESP Fundação Esperança surge, inicialmente, em 1995, de uma desesperada realidade encontrada em Parelheiros, munícipio de São Paulo, distante a 60 km da praça da Sé.

A população local, na sua grande maioria excluída socialmente, vive na região na mais completa miséria, sem qualquer dignidade e sem qualquer possibilidade de ascensão, moral, social e alijado de qualquer instrução.

Mediante a esta situação de muitas mulheres, número maior ainda de crianças, e pouquíssimos homens, sem escolas locais(a mais próxima 12 km), sem qualquer meio de transporte na época, sem qualquer assistência médica/odontológica, diante desse quadro, o Mentor, colaborador e atuante membro da FUNDESP, o engenheiro Carlos Renato Poiano começa um movimento de socorro à população local, suprindo desde alimentação, roupas, móveis, utensílios domésticos, numa propriedade de 200.000,00 m², adquirida

Com recursos próprios e grandemente apoiado pela Comunidade do Evangelho Integral, começa um movimento semanal de reunião com vários voluntários, levando Amor, Carinho e suprimentos, além de várias palestras médicas odontológicas para a população de 15 famílias, chegando a 100 famílias, implantando agricultura comunitária, artesanatos, entre outros.

Renato Poiano

Em parceria com Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, por se tratar da única área viva de São Paulo, área de muitos mananciais, atua na criação da primeira APA - área de Proteção Ambiental , denominada APA - CAPIVARI-MONOS, responsável pela manutenção das Represas Billings e Guarapiranga.

Atuamos na proteção e recuperação das nascentes, que antes eram desmatadas por total falta de consciência da população local.Atuamos por 8 (oito) anos consecutivos, levando todo tipo de suprimento físico, Amor e carinho para à população carente, com alimentação conjunta semanalmente com os voluntários, milhares de peças de vestimentas, sapatos, brinquedos, além das tradicionais festas de Natal, Páscoa, dia das mães, dia das crianças, nas quais mais de 300 crianças eram apadrinhadas.

Começamos a construção de um galpão, com 1.200,00 m², construímos uma quadra de grama poliesportiva, com desenvolvimento de esportes para jovens adolescentes. Conseguimos junto à Municipalidade ônibus escolar para levar e trazer as crianças das escolas do Embura e Engº Marsilac.

Após construção das colunas, compra da estrutura metálica para cobertura do galpão que previa, entre outros: Enfermaria para primeiros socorros, biblioteca, brinquedoteca, já com vários brinquedos no parque funcionando, salão para palestras e estrutura para pré-escola.

No auge dessa construção, fomos impedidos de continuar todo o trabalho até então desenvolvido, por intervenção da Sub Prefeitura de Parelheiros, constituída após muitas solicitações nossas, pois até então a SUB Prefeitura responsável pela área era Capela do Socorro, que nos atendia, mas ficava muito fora da nossa área de atuação.

31/8/2016 17:15

Naquela época, oferecemos toda a nossa propriedade, infra estrutura e ajuda, mas não se sensibilizaram com a população local e proibiram a continuidade das obras e a consequente obra social em andamento.

Atualmente, após 7 anos de luta para a obtenção do título da propriedade, retomamos a aprovação do projeto para construção do galpão, já com todas as aprovações ambientais obtidas, como CETESB, DAEE, extinto DPRN e DUSM.